top of page

Forbes: Os Olhos Têm

Atualizado: 7 de fev. de 2023

*BLYTHE*


Quase 35 anos depois que a boneca Blythe falhou com as crianças, fashionistas adultos e fotógrafos disputam para possuí-la e vesti-la.


Alguns minutos no estúdio de Gina Garan em Manhattan podem fazer o visitante mais bem ajustado se sentir desconfortável. Nas paredes, 1.000 bonecos - cada um modelo conhecido como "Blythe" - transfixam o intruso com seus enormes olhos arregalados. Suas expressões são idênticas: cauteloso, conhecedor, evasivo. Alguns, enviados para Garan como presentes por colecionadores do mundo todo, são customizados. Uma está sentada em uma cadeira de rodas, sem pernas, os sapatos sobre os apoios para os pés. Outra, enviada por um japonês, está em uma caixa em forma de caixão, com os braços cruzados sobre o peito. Estas não são as Barbies da sua filha.


A Blythe existe desde 1972, quando a Kenner, uma empresa americana de brinquedos, produziu quatro versões diferentes em um ano e depois as aposentou por causa das vendas fracas. Não é surpresa que a boneca, com sua testa enorme, expressão facial neutra e olhos enormes e alienígenas, não atraísse as crianças. "As crianças achavam que eles eram assustadores", diz Garan, 41, produtor de vídeos corporativos e fotógrafo amador. O único recurso interativo da boneca - uma corda na parte de trás da cabeça que permite aos usuários mudar a cor dos olhos com um puxão - faz pouco para humanizá-la.

Mas as mesmas qualidades que as crianças alienadas agora atraem os adultos, que encontram algo atraente na estranheza da boneca. Quando Philip Leeming, um estilista da cidade de Nova York, viu Blythe pela primeira vez em 2001, ele ficou encantado com o que chama de "verdadeira sensação de solidão". Leeming, que gastou até $ 250 por um Blythe que originalmente seria vendido por $ 6, tem 8 bonecos de tamanho normal e 30 "mini-Blythes" menores. Ele começou a comprá-los online, depois em butiques durante viagens a Cingapura, Hong Kong e Japão. Ele começou a desenhar roupas para Blythe e a fotografá-la em vários cenários. No Taj Mahal da Índia, ele diz: "Nós a sentamos no lugar onde a princesa Diana se sentou, quando ela foi entrevistada sobre seu divórcio". Blythe usava um sari. Quando Leeming a levou para Las Vegas, ela usava uma roupa de Paris Hilton.

Lauren Townsend, uma designer gráfica em Santa Bárbara, Califórnia, usa Blythe como tela. Ela personaliza suas bonecas, removendo seus cabelos e "reenraizando" com mohair ou Saran (cloreto de polivinilideno), o filamento usado para bonecas Barbie. Às vezes, ela substitui os olhos das bonecas por discos coloridos que compra pela internet. "É uma forma de expressão artística que nunca tive antes", diz ela.

Quando Garan viu Blythe pela primeira vez, ela pensou que a boneca se parecia com ela. Ela comprou uma no Ebay em 1997 e começou a fotografá-la em diferentes cenários, brincando com a escala para que a boneca parecesse em tamanho real. Em uma foto, Blythe surfa em Miami. Em outro, ela está congelada em um enorme bloco de gelo. Dois anos depois, por capricho, Garan enviou uma coleção de suas fotos para a Chronicle Books, que lhe deu um contrato para um livro.

Seis meses depois, Garan, em uma festa, mostrou suas fotos para Junko Wong, uma agente de Tóquio que representa ilustradores. Wong viu o apelo de Blythe imediatamente. "Achei que seria perfeito para o mercado japonês", lembra Wong, observando que no Japão as meninas adoram desenhos animados e outras artes infantis. Wong voltou para Tóquio e lançou a boneca para a loja de departamentos Parco, que lançou Blythe em um comercial de TV animado que a mostrava caminhando na neve, seus olhos mudando de cor e direção.


Wong se aproximou hasbro pela permissão para fabricar a boneca no Japão. (A Hasbro adquiriu a Tonka, que adquiriu a Kenner em 1987.) Ela comprou os direitos e contratou a empresa japonesa de brinquedos Takara para a fabricação. Em 2001, Takara lançou uma edição limitada de 1.000 bonecos, ao preço de $ 66 cada. Eles se esgotaram em um dia. Nos últimos cinco anos, Takara vendeu 325.000 Blythes no Japão, principalmente em lojas japonesas da Toys "R" Us e em butiques como Kittyland e a própria Junie Moon de Wong.

Chronicle lançou Garan's This Is Blythe em 2000. Dois anos depois , Women's Wear Daily e Vogue Japancorreu spreads mostrando a boneca vestindo roupas de grife em miniatura. Para capitalizar o burburinho, Garan desenvolveu um site, thisisblythe.com, e tornou-se o porta-voz ad hoc de Blythe, moderando grupos de discussão para pessoas interessadas em comprar. No Ebay, os modelos originais da Kenner chegam a custar mais de US$ 1.800. Apesar do aumento da popularidade de Blythe, a Hasbro produz apenas 2.000 unidades por ano, vendidas principalmente em butiques. "Nosso público é um grupo criativo e focado em design, com 18 anos ou mais", explica Bryony Bouyer, que supervisiona o licenciamento de Blythe para a Hasbro. "Não é uma boneca tradicional que a Hasbro faria nos mercados de massa." Mesmo assim, a Hasbro licenciou uma pequena linha de produtos Blythe na Ásia e nos Estados Unidos, incluindo artigos de papelaria, mouse pads e jornais.

Garan trabalha com Junko Wong para promover as bonecas e sua própria fotografia no Japão. Ela publicou mais dois livros, Blythe Style e Blythe Moment . Centenas de pessoas comparecem às aparições públicas de Garan no Japão e a outros eventos da Blythe, como um desfile anual de moda beneficente. Wong recruta estilistas como Prada e Gucci para vestir Blythe e depois contrata modelos para desfilar com as bonecas na frente. Os colecionadores na platéia, diz Garan, "seguram seus Blythes, para que as bonecas possam dar uma boa olhada".



Você encontra as Bonecas Blythe em www.bedoll.com.br ENVIO NACIONAL E INTERNACIONAL





32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page